Apaixonados por livros
Bem Vindos ao Apaixonados por livros, registre-se e veja todas categorias (e paginas) do fórum!

As cronicas dos sete, Os Garotos da Profecia - Carolina Manzano

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

As cronicas dos sete, Os Garotos da Profecia - Carolina Manzano

Mensagem por Beatriz em 18/12/2013, 14:31



Alguns acreditam em destino, outros em coincidência. Existem aqueles que seguem fielmente a ideia do carma ou tais que preferem apenas não acreditar em nada, mas quando as coisas finalmente acontecem, a única coisa que precisamos fazer é acreditar e seguir em frente.
Viridiagros é uma terra distante, mais distante do que qualquer outro forasteiro possa acreditar, e é lá onde se descobre que mitos são realidade e profecias podem se tornar um tanto quanto desagradáveis. As sombras que cercam a noite são na verdade monstros, e heróis de verdade se tornam constelações quando se vão.
Às vezes o lugar pode se tornar um tanto quanto pacato, com uma ótima paisagem para se passar o dia a observar seus campos verdes e um belo céu noturno repleto de mistérios, mas não se deixe enganar, pois as vezes as coisa saem um pouco do controle, principalmente quando um louco decide assumir o poder e destruir a paz tão bem desejada por aqueles que andam e vivem nessas terras.

Os Garotos da Profecia conta a história de Matthew, um jovem solitário que vive dias tediosos e longos entre livros, mas que vê sua vida mudar com a chegada de uma nova garota, que se torna sua vizinha. Uma estranha menina que fala demais e decide, por algum motivo que ele jamais poderia entender, se tornar sua amiga.
Em meio a um dia ensolarado os dois se perdem em um misterioso bosque, que lhes revela uma velha ponte que ao ser atravessada, os leva para um mundo totalmente diferente e cheio das criaturas que um dia ele apenas imaginou existirem em seus livros.
Logo os dois se veem envolvidos em uma guerra que se estende há séculos, e sendo os principais personagens de uma profecia nem um pouco animadora. Com a ajuda de uma garota um tanto quanto selvagem, um anão gentil, um centauro determinado e um elfo um tanto quanto paciente, os jovens decidem acabar com a guerra e tirar o poder do trono das mãos do tão temido Cavaleiro Negro, que de cavaleiro não tem nada.

"Não queria morrer agora. Na verdade ninguém gostaria de morrer, mas é esse tipo de coisa que sempre acontece. E morrer para salvar alguém, em minha opinião, era uma boa forma para se morrer. Suspirei e comecei a pensar se realmente existiria aquela história de os bons irem para o céu e os maus para o inferno, e me perguntei se morrer para salvar alguém ajudava a contar alguns pontos extras para entrar no céu."


Prólogo e primeiro capítulo:
Prólogo
           
Cuidado, forasteiro, com o que você pode ler
Talvez essa história não se aplica a você
Um lugar onde tudo existe
Você acreditando ou não
Por favor, menos hipocrisia, e um pouco mais de diversão
Afie sua espada, ou pegue seu arco e flecha
Nem tudo o que parece ser é
Não precisa ser corajoso
Não me importo se você é um bandido mentiroso
Ou um solitário bondoso
Apenas corra para ajudar
Ou feche o livro e o deixe mofar

E lembre-se, você foi avisado, se continuar pode ser fatiado.







                                          Capítulo 1

E lá estava eu novamente. Naquele mesmo banco, no mesmo ônibus. Apenas mais um garoto pobre da zona rural. Olhei para baixo e a única coisa que vi foram meus tênis velhos e esfarrapados, que tinha já fazia três anos. Minha mochila igualmente velha estava sobre as minhas pernas. Ela já estava desbotada demais e o preto já virara cinza.
O ônibus parou novamente e mais um aluno entrou. Não importava o quão cheio o ônibus estivesse, ninguém sentava ao meu lado. Era como se eu tivesse alguma doença contagiosa, e quem sabe, teria mesmo.
Olhei pela janela e vi quilômetros de longos campos e plantações verdes vivas. Pude me imaginar andando por eles. O sol batendo nas minhas costas e o vento açoitando meus cabelos loiros e mal cuidados. Podia sentir o capim se agarrar e logo depois se soltar das minhas pernas. Eu podia sentir o cheiro de flores e grama molhada, e podia ouvir a canção melancólica da brisa. Como uma canção triste passada de geração em geração com histórias vindas desde a criação dos primeiros ventos.
Enquanto me deleitava com essas imagens, pude ouvir chamarem meu nome. Ah, como aqueles malditos garotos gostavam do meu nome. Todos implicavam comigo desde que me conhecia por gente. Eles brincavam comigo por causa das minhas roupas ou do meu sapato. Eu era o garoto pobre que vinha de uma fazenda mais pobre ainda. E eles gostavam disso, e como gostavam.
O ônibus parou e percebi que todos se levantavam. A escola havia chegado. Levantei-me e andei automaticamente como fazia sempre. Eu sempre estudara na mesma escola desde a primeira série. O que era inconveniente em um ponto já que não tinha muitas chances de mudar de vida, de ir para um lugar onde ninguém me conhecesse.
E desde sempre a escola nunca mudara. Ela era o mesmo prédio de três andares, azul claro e branco. O pátio era um grande campo verde com algumas árvores e um pequeno parque para as crianças brincarem durante o intervalo. Não havia grades ou muros.
Caminhei pela trilha de tijolos que levavam ao prédio e consegui chegar à minha sala no terceiro andar a tempo do sinal bater.
Eu me sentava na quarta carteira e sempre atrás de mim ou ao meu lado, se sentavam os garotos que adoravam brincar comigo e pegar minhas coisas. Não, isso não eram apenas coisas e brincadeiras de crianças, os garotos de dezesseis anos também adoravam pegar no pé daqueles que eles achavam fracassados, e eu era um deles. Na verdade, podia se dizer que eu estava no topo de suas listas.
A professora entrou na sala, acompanhada de uma garota de cabelos negros e cacheados. Ela era alta e sua pele tinha um aspecto um pouco pálido, como se ela não saísse ao sol durante meses. Suas roupas eram diferentes comparadas com as dos outros. Ela usava uma calça jeans negra com coturnos pretos, que iam até um pouco acima da sua canela. Sua blusa era azul clara, cavada e ela usava uma preta com mangas compridas por baixo dessa. Havia uma jaqueta jeans amarrada em sua cintura.
- Classe essa é Mary. Ela é nova aqui. – Disse a velha mulher, apontando para o lugar ao meu lado que estava vago.
Senti o garoto atrás de mim se agitar na carteira como um peixe fora d' água. Senti pena da nova garota. Pelo jeito ela seria alvo de brincadeiras, ou aqueles valentões correriam atrás dela como cachorros loucos.
Ela andou até a carteira e se sentou colocando sua mochila no chão, ao seu lado.
As aulas continuaram como sempre tão chatas, com exceção da aula de música, mas mesmo assim eu tentava não mostrar muita animação.
Na hora do intervalo, me sentei embaixo de uma árvore perto do parquinho, já que aquele era o único lugar onde os garotos não pegavam tanto no meu pé, e comecei a comer meus biscoitos. Há alguns metros ouvia algumas vozes familiares e a voz de uma garota.
Levantei e peguei minha mochila, guardando os poucos biscoitos que haviam sobrado. A uns cinquenta metros de mim estava um grupo de aproximadamente cinco garotos, todos com cabelo castanho e todos eram meus perseguidores, ou meus fãs, como às vezes eu os chamava, já que não paravam de me perseguir. O maior, Spike, e chefe do grupo, estava praticamente em cima da garota de cabelos negros, Mary.
Ela tentava escapar dele, mas a cada passo que dava tentando fugir ele a empurrava mais para a parede. Aquela era uma ótima área para se fazer uma abordagem direta, por assim dizer, já que ninguém se quer circulava por ali quando não era o intervalo das crianças.
Suspirei, pois sabia que o que estava prestes a fazer me renderia mais um bom tempo sendo alvo de todo tipo de brincadeiras. Se, claro, eles estivessem de bom humor e não me batessem também.
- Ei, Spike, já se cansou de seus antigos amigos? – Disse, me aproximando.
Ele se virou para mim. Olhos raivosos de um cachorro louco, isso combinava com ele, afinal, Spike me lembrava nome de cachorro.
- Não se intrometa, caipira! - Ele rosnou e seus quatro amigos avançaram pra mim. – Não. Deixem-no em paz! Tenho planos para ele mais tarde.
- Deixe a garota em paz, ela não deve gostar de pessoas com nome de cachorro.
Ele se afastou de Mary e essa rapidamente correu até mim. Não sei porque ela tinha tomado essa péssima decisão, ainda mais se seus planos fossem que eu a protegesse. Na verdade não conseguiria nem me proteger, imagina proteger ela.
- Você se meteu com a pessoa errada!
- É eu sei, mas olhe, esse não é o sinal tocando? - Perguntei assim que ouvi o sinal.
- Você se livrou dessa, seu caipira estúpido, mas não pense que isso vai ficar assim. - Ele disse se virando e indo para seu treino de futebol.
- Você está bem? - Perguntei me virando para Mary.
- Sim, sim. Obrigada.
- De nada.
Virei-me e voltei para o prédio. Ainda tinha mais algumas aulas antes de poder voltar para casa. Spike me ameaçou em todas elas, até que sua criatividade se esgotasse, o que demorou certo tempo para acontecer, mas eu agradeci por ter as últimas duas aulas de português. Pelo menos a professora era brava e Spike tinha medo dela, então ele ficava calado na maior parte do tempo.
O sinal bateu e fui para meu ônibus. No caminho senti algo bater nas minhas costas e quando passei a mão na minha camiseta, percebi que eles haviam jogado um sanduiche de manteiga de amendoim com geleia em mim. Realmente dava para ver o quão imaturo eles eram.
Sentei no ônibus e a garota de cabelos negros foi a última a entrar e acabou se sentando ao meu lado. O que foi uma grande surpresa para mim, já que havia outros lugares vagos. Ela realmente era uma novata desinformada.
- Oi. - Mary disse.
- Oi. - Eu respondi olhando-a rapidamente.
- Obrigada novamente por me ajudar hoje. Acho que nunca conseguiria me livrar deles sem usar a força.
- De nada.
Realmente não falava com pessoas desconhecidas durante muito tempo. Isso era uma grande perda de tempo na minha opinião. Preferia ficar sozinho com meus desenhos. Todos os dias depois de cumprir minhas obrigações, eu me embrenhava no mato ou caminhava pelos longos campos a procura de uma sombra com uma bela vista. E quando a achava, me sentava e ficava desenhando o que vinha em minha mente. Na maior parte algumas criaturas humanoides que imaginava quando era pequeno. Sempre quisera que alguma das aventuras que eu lia acontecessem comigo, mas a maioria era vivida por garotos e garotas de até quatorze anos no máximo, então quando completei quinze percebi que nada mais daquilo realmente aconteceria.
- Você mora aonde?
- Em uma pequena propriedade a alguns quilômetros.
- Desculpe, mas qual é mesmo seu nome?
- Matthew, mas me chame apenas de Matt.
Eu realmente odiava o meu nome inteiro. Por que minha mãe não havia me chamado apenas de Matt, que era fácil e nem um pouco complicado? Mas não. Ela gostava de incrementar os nomes e acabara me chamando de Matthew, o que em minha opinião era um nome que só fazia você perder tempo tanto quando escrevia ou quando falava.
- Legal. Meu nome é Mary.
- Sim, eu sei.
- Você não tem muitos amigos, não é?
- O que você acha? - Disse a olhando.
- Não, não. Sabe, eu realmente também nunca tive muitos amigos... O que seus pais fazem?
- Meu pai trabalha em uma loja de ferramentas e minha mãe em uma mercearia.
- Legal. O meu pai é músico. Ele escreve jingles para TV e minha mãe trabalha como corretora de uma editora. - Ela disse.
E a primeira coisa que veio na minha cabeça, foi que eles eram ricos, e a segunda era o que diabos ela estava fazendo nesse fim de mundo.
- Sabe, meus pais queriam ir para um lugar mais sossegado do que a cidade grande, então meu pai escolheu esse lugar. Os dois sempre trabalharam em casa, então não tivemos problemas em nos mudar.
- Hum. - Disse encarando os campos verdes que passavam por nós.
- Você não é de falar muito, não é?
- Não.
O ônibus finalmente parou e eu desci. Minha casa ficava há alguns metros da pista. Era uma casa pequena de madeira, com dois andares. A porta da frente tinha uma espécie de segunda porta marrom de tela. As janelas estavam cobertas por cortinas beges colocadas no lado de dentro. Na frente havia uma pequena estufa de vidro, com algumas plantas e vegetais plantados. A grama era bem aparada, desde a porta da casa até a beira da estrada. Na verdade, eu que tinha de apara-la.
Ao lado de casa havia uma pequena estrada de terra que levava para dentro do bosque. E do outro lado dessa estrada, havia uma grande propriedade circundada por grandes árvores que não deixavam ver direito a casa em si. Ela já estava inabitada há anos, mas mesmo assim o dono sempre vinha para fazer limpezas regulares e cuidar dela.
A casa em si era grande, com dois andares e janelas largas e brancas. Assim como toda a casa, a varanda media no mínimo quatro metros de comprimento e nela havia algumas cadeiras igualmente brancas, com alguns vasos de flores coloridas (a única coisa que quebrava um pouco todo aquele branco).
O gramado da frente era realmente muito grande, ali caberiam duas casas iguais a minha. E a grama sempre estava bem cuidada e verde. A única parte da propriedade que não estava cercada por árvores era uma pequena entrada que ficava a alguns metros da pista, na estrada de terra.
Comecei a caminhar para casa quando ouvi o ônibus parar de novo, e me virei pensando no que havia acontecido. Então as portas se abriram e Mary desceu e veio correndo na minha direção.
- Bem, parece que somos vizinhos. - Ela disse apontando para a grande propriedade ao lado da minha.
Era só o que me faltava. Uma garota rica que era minha vizinha. Eu quis naquele momento saber quem havia escrito o roteiro da minha vida, e esganá-lo. Como uma pessoa podia ter tanto azar.
- Legal. Preciso ir. - Disse e voltei a caminhar.
Ela não me seguiu, e antes de entrar em casa pude vê-la entrando na grande propriedade. Entrei em casa e atravessei a sala indo para as escadas e de lá para o meu quarto. Se é que se pode chamar algo de seu quando você precisa dividir com mais duas garotas.
O quarto era grande, e a alguns passos da porta, andando em linha reta, virando para a direita, havia uma pequena espécie de abertura onde havia uma janela e minha cama, embaixo dela. Essa pequena espécie de abertura que se assemelhava com um corredor, tinha mais o menos onze passos de largura por dez de comprimento, depois a parede virava para a direita novamente e em poucos passos o quarto acabava.
A única coisa que me restara fazer, para conseguir um pouco de "privacidade" havia sido amarrar uma espécie de corda de cada lado onde começava e terminada essa espécie de abertura e amarrar um dos meus grandes cobertores ali. Pelo menos aquilo servia como uma espécie de porta, e poderia fazer meus desenhos em paz em dias chuvosos.
Coloquei minha bolsa no chão, encostada na parede cor de creme e desci para pegar algo para comer. Minha mãe estava na cozinha fazendo biscoitos, enquanto meu irmão de dois anos, Eric, comia um pedaço, do que deduzi, ser uma fruta. Zoey, que tinha dezoito, e era apenas dois anos mais velha do que eu, estudava na mesa da cozinha, e sentada ao seu lado estava Rose, com seis anos, fazendo sua tarefa. Ela estava animada por aquele ter sido o seu primeiro dia de aula na escola e falava como um papagaio.
A cozinha era pequena, com uma mesa de oito lugares, o que ocupava a maior parte do espaço, no canto esquerdo, próxima a parede. No canto direito havia um balcão velho de madeira escura, no qual separava o fogão e a pia. E perto da porta de saída dos fundos, na cozinha, tinha uma geladeira, na qual eu me lembrava dela desde meus três anos.
Minha mãe sorriu para mim quando me viu entrar. Ela era uma mulher com seus trinta e poucos anos, seus cabelos eram dourados como ouro e seus olhos eram azuis como o mar, às vezes se tornando um pouco misteriosos. Ela era alta e magra e seu sorriso trazia toda a beleza e juventude que tinha. Suas mãos eram calejadas graças ao trabalho duro e apesar de quase sempre estar sem dinheiro, ela nunca deixava de sorrir e dizer que as coisas iriam ficar melhores, o que na minha opinião, era muito otimismo jogado fora.
Zoey levantou os olhos para mim. Ela tinha os cabelos castanhos escuros. Na verdade, todas minhas irmãs e irmão tinham cabelos castanhos escuros, o que muitas vezes me fazia perguntar se eu não era adotado. Os olhos negros de Zoey eram felinos, e seu corpo era esguio e bronzeado. Ela sempre reclamava de tudo, desde como nunca termos dinheiro até sobre como o tempo estava.
Rose olhou para mim rapidamente e depois voltou seu olhar à sua tarefa. Ela tinha cabelos castanhos escuros presos em duas tranças. Seus olhos eram chocolate e ela começara a perder seus dentes de leite há alguns meses atrás, ou seja, no momento ela estava sem um dente da frente, o que ela gostava bastante de exibir a todos. Ela não era muito alta, mesmo para sua idade, e quando não falava o dia todo, gostava de brincar de provar a resistência de suas bonecas, jogando-as pela janela ou as enterrando, o que deixava meu pai furioso já que não tínhamos dinheiro para ficar comprando bonecas novas para ela.
Meu pai trabalhava quase o dia todo, e quase todos os dias da semana. Ele tinha os cabelos negros e os olhos verdes, iguais os meus. Ele tinha um físico forte e atlético e gostava de reclamar de como eu era péssimo em esportes e deveria fazer alguma coisa que garotos faziam, e não ficar apenas desenhando porcarias, o que na opinião dele, era coisa para meninas fazerem.
- Tem alguns biscoitos prontos em cima da mesa, querido. - Minha mãe disse e voltou a preparar a massa para fazer mais biscoitos.
- Tudo bem. - Respondi, e peguei alguns.
Então Clair entrou na cozinha segurando uma blusa vermelha desbotada. Ela tinha os cabelos castanhos escuros cortados bem curtos, e seus olhos eram castanhos e cruéis. Ela tinha dezessete anos, mas era mimada e cheia de frescuras. Ela e Zoey viviam discutindo por tudo, desde roupas até sobre quem assistiria TV primeiro. Ela era alta e realmente tão magra que eu podia ver seus ossos quando ela estava de biquíni, mas vivia dizendo que estava gorda.
- Mãe, eu preciso de roupas novas, as minhas já estão muito velhas! - Ela disse batendo o pé no chão.
- Mas, querida, compramos roupas para você semana passada, nós não temos dinheiro para comprar roupas novas para você toda semana, Clair.
- Eu queria ter nascido em uma família rica! - Ela disse batendo o pé e subindo as escadas.
Minha mãe apenas balançou a cabeça negativamente. Sai de casa e comecei a caminhar para as colinas verdes. Adorava caminhar por ali. Apenas eu e o silêncio, sem discussões, sem precisar ouvir pessoas me ridicularizando. Era como se pudesse entrar em outro mundo, onde não havia ricos ou pobres, onde todos eram felizes e não havia dor ou tristeza. Em um mundo onde a paz e o silêncio reinassem.
Eu gostava de andar por ali e pensar, e às vezes falar comigo mesmo ou até cantarolar minhas canções favoritas. Enquanto andava, uma leve brisa apareceu rapidamente fazendo a grama dançar sua canção. Ela era fresca e trazia o aroma de várias flores misturadas, que se você parasse para tentar distinguir, conseguiria resultados variados, desde os mais doces e suaves, até os mais fortes e ácidos.
O dia já estava quase no fim, e o sol já estava se pondo. Eu havia andando rapidamente e me afastado bastante de casa, que agora nada mais era do que um pontinho marrom longe, ao horizonte.
Parei e comecei a admirar o pôr-do-sol. Os raios começavam amarelos e depois foram ficando alaranjados, e por último, vermelhos como sangue. Podia sentir o mormaço em minha pele, em contraste com a brisa que me refrescava às vezes. A grama era macia e vezes ou outra se via formigas e outros pequenos insetos caminhando apressados por ela. Fiquei ali até que o sol se fosse, então me virei e voltei a caminhar para casa.
O clima já estava começando a mudar rapidamente, o mormaço dava lugar aos ventos frios, a leve brisa dava lugar às ventanias, na quais os ventos uivavam como lobos, e faziam as árvores se chacoalharem como se estivessem a ponto de cair. A noite era perigosa e fascinante ao mesmo tempo. Ela trazia a escuridão, mas às vezes te enchia de esperanças com o luar prateado.
Ninguém tem medo do escuro, assim como ninguém tem medo de uma arma em si. As pessoas tinham medo do que se escondia nele, assim como tinham medo do estrago que uma arma nas mãos de pessoas erradas poderia fazer. A noite era a morada dos monstros, do medo e da morte, mas todos pareciam se esquecer disso ao saírem por ai para olhar o brilho das estrelas.
Continuei a caminhar mais e mais rapidamente, até que minha caminhada virou uma corrida, mas não porque eu estivesse com medo, mas sim porque gostava de sentir a sensação do vento batendo no meu rosto, dos meus pés entrando em contato com a grama. De como o meu corpo ficava aquecido, e de como eu podia ouvir meus batimentos cardíacos se acelerarem. Era como se cada célula do meu corpo explodisse cheia de adrenalina.
Cheguei em casa em pouco tempo e logo fui tomar um bom banho. O banheiro realmente não era muito grande, na verdade não caberiam três pessoas ao mesmo tempo, e na maior parte do tempo eu sempre tinha de tomar banhos frios, já que era sempre o último a tomar banho e a água quente já havia acabado, mas é claro que nos dias mais frios eu sempre era o primeiro a tomar banho. Às vezes podia ser lento, mas não burro.

Tomei meu banho e fui para meu quarto dormir. Estava cansado, e dormir era sempre uma boa opção quando não se tinha nada para fazer. Fechei a janela do quarto e me deitei. Quando mal fechei os olhos, já havia adormecido.


O livro ainda não foi publicado mas, é possível lê-lo online  através do site criado pela autora. study study study 

Confiram e não esqueçam de dar a opinião sincera de vocês.

_________________
avatar
Beatriz
Admin
Admin

Mensagens : 390
Idade : 22
Localização : SP

http://arquitetosdepalavras.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As cronicas dos sete, Os Garotos da Profecia - Carolina Manzano

Mensagem por Ana Paula em 19/12/2013, 16:20

Parece bem interessante! Very Happy  Me lembrou as cronicas de narnia.
avatar
Ana Paula
PJ
PJ

Mensagens : 4
Idade : 25

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As cronicas dos sete, Os Garotos da Profecia - Carolina Manzano

Mensagem por Nefertinny_Nyx em 20/12/2013, 08:32

E nao é que realmente lembra???

_________________
Eterna noite, filha da lua, filha e serva da Grande mãe, adorada Nyx
May the circle be open, but unbroken, may the love of the goddness be ever in your heart.
Merry meet and merry part and merry meet again!


avatar
Nefertinny_Nyx
Admin
Admin

Mensagens : 341
Idade : 27

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As cronicas dos sete, Os Garotos da Profecia - Carolina Manzano

Mensagem por Lexi em 29/12/2013, 21:58

Verdade  Smile 

Lexi
HP
HP

Mensagens : 101

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: As cronicas dos sete, Os Garotos da Profecia - Carolina Manzano

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum