Apaixonados por livros
Bem Vindos ao Apaixonados por livros, registre-se e veja todas categorias (e paginas) do fórum!

O Resgate do tigre - Colleen Houck

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O Resgate do tigre - Colleen Houck

Mensagem por Beatriz em 12/11/2013, 22:20


Resenha


O Segundo livro da série a “Maldição do Tigre” conseguiu me cativar ainda mais que o primeiro. Achei o primeiro muito Indiana Jones, mas o segundo tem o que eu poderia nomear como um “Horizonte mais amplo”. É um livro super envolvente e é empolgante do começo ao fim.
Sou totalmente apaixonada pelo Kishan.  

Depois de deixar seu grande amor na India, Kelsey volta para casa. Porem por mais que tente voltar a levar uma vida normal com preocupações como estudos, amigos, novos pretendentes e família seus pensamentos continuam a voltar para selvas exuberantes e os olhos azul cobalto de seu tigre.
No segundo livro da saga, Ren é sequestrado, e para poderem resgatar ele Kishan e kelsey vão atrás do segundo presente da deusa Durga. Dessa vez eles tem como destino o mundo de Shangri-la, um paraíso em pleno Tibete. Eles terão de passar por desafios que irão testa-los, enfrentar monstros e criaturas mitológicas em uma aventura com fadas, sereias e muito mais.


Entrevista com a altora legendada pela Editora arqueiro.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Você pode compra-lo [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Prólogo
Spoiler:

De volta para casa.
Agarrei-me ao assento de couro e senti o coração dispararenquanto o avião particular ganhava o céu, afastando-se da Índia. Tinha certeza de que, se soltasse o cinto de segurança, atravessaria opiso e mergulharia numa queda livre em direção às selvas lá embaixo. Somente assim eu me sentiria inteira novamente. Eu havia deixadomeu coração na Índia e podia sentir sua ausência em meu peito. Tudoo que restava de mim era uma casca vazia, entorpecida e sem sentido. A pior parte era que... eu tinha feito isso a mim mesma. Como pude me apaixonar? E por alguém tão... complicado?Os últimos meses tinham voado. Não sei como, de um trabalho no circo, e partira numa viagem para a Índia com um tigre

que vinha a ser um príncipe indiano

e travara batalhas contra criaturas imortais, tentando juntar os pedaços de uma profecia perdida. Agora minha aventura havia chegado ao fim e eu estava sozinha.
Era difícil acreditar que apenas alguns minutos antes eu tinha dito adeus Sr. Kadam. Ele não falara muita coisa. Havia se limitado a dar tapinhas em minhas costas enquanto eu o abraçava com força, sem querer soltá-lo. Por fim, o Sr. Kadam se libertara dos meus braços, murmurara algumas palavras na tentativa de me tranquilizar e me entregara aos cuidados de sua tatatataraneta, Nilima. Felizmente, no avião, Nilima me deixou sozinha. Eu não queria a companhia. Ela de ninguém. Ela me serviu o almoço, mas eu não conseguia nem pensar comer. Sabia que estaria delicioso, porém tinha a sensação de estar andando perto de areia movediça. A qualquer segundo poderia ser sugada para um abismo de desespero. A última coisa que eu queria era comer. Sentia-me desgastada e inútil, como o embrulho amassado de um presente de Natal. Nilima retirou a refeição e tentou me seduzir com minha bebida favorita

água bem gelada com limão

, mas eu a deixei na mesa. Fiquei olhando para o vidro sabe-se lá por quanto tempo, observando a água se condensar no exterior do copo, formando gotículas que escorriam lentamente e empoçavam em torno da base. Tentei dormir, esquecer tudo por pelo menos algumas horas, mas aquela tranquilidade estava fora do meu alcance. Pensamentos sobre meu tigre branco e a maldição secular que o aprisionava disparavam em minha mente enquanto eu examinava o espaço ao redor. Eu fitava o assento do Sr. Kadam vazio à minha frente, olhava pela janela ou observava uma luz piscando na parede. De vez em quando me voltava para minha mão, traçando com o dedo o lugar onde o desenho de hena feito por Phet já não era mais visível. Nilima voltou trazendo um MP3 player com milhares de músicas. Várias eram de artistas indianos, mas a maior parte era de americanos. Rolei a tela em busca das canções de amor mais tristes, pus os fones nos ouvidos e apertei o PLAY. Abri o zíper da mochila para pegar a colcha de minha avó e só então lembrei que havia embrulhado Fanindra com ela. Puxando as
pontas da colcha, espiei a cobra dourada, um presente da deusa Durga, e a coloquei ao meu lado no braço da poltrona. A joia encantada estava enroscada, descansando

ou pelo menos era o que eu supunha. Esfregando-lhe a cabeça dourada e lisa, sussurrei:

Você é tudo que eu tenho agora. Estendendo a colcha sobre minhas pernas, recostei-me na poltrona reclinada, olhei para o teto do avião e fiquei ouvindo uma
canção chamada “One Last Cry” Mantendo o volume baixo, coloquei
Fanindra no colo e acariciei os anéis reluzentes de seu corpo. O brilho verde dos olhos preciosos da cobra iluminava suavemente a cabine do avião e me consolava, enquanto a música preenchia o vazio em minha alma.

avatar
Beatriz
Admin
Admin

Mensagens : 390
Idade : 22
Localização : SP

http://arquitetosdepalavras.blogspot.com.br/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum